Alexandria

Turismo em Alexandria: o que ver, como lá chegar e mais informações práticas

Passeios turísticos em Alexandria é diferente porque a cidade tem pouco a ver com outros destinos no Egipto. A sua localização, história, clima e mesmo o seu ambiente e vida social são muito diferentes. E digamos que é um lugar que agradará aos que viajam com um olho no que vêem e outro no que não vêem, pois o que foi outrora a capital do Antigo Egipto na era ptolomaica vive em grande parte de evocações do seu passado. Era o ideal para a inspiração de grandes escritores, como foi o caso e como veremos.

No entanto, esta grande metrópole portuária, aberta ao mar, está a recuperar cada vez mais o seu património e a valorizá-lo da melhor forma possível, a ponto de ser conhecida como a “Pérola do Mediterrâneo”. Por todas estas razões, dedicamos esta página a falar-lhe de o que ver em Alexandriaquer goste da cultura greco-romana ou prefira concentrar-se em atracções mais contemporâneas. E se quiser ir mais longe e planear uma viagem personalizada, contacte a Egipto Exclusivo. Podemos organizar a melhor experiência de turismo em AlexandriaPode fazer umas férias completas tendo esta cidade como epicentro ou fazer uma viagem de um dia a partir de outras partes do país. E sempre com os melhores profissionais ao seu serviço!

Índice

Localização e clima de Alexandria

Alexandria é fortemente condicionada pela sua localização: banhada pelo Mediterrâneo, foi durante muitos séculos um dos portos mais importantes deste mar. Situa-se na extremidade noroeste do delta do Nilo, embora não passe por aqui nenhum braço desse grande rio: o mais próximo dos dois rios existentes, o Rosetta, corre cerca de 60 km para leste. O Cairo, por outro lado, fica a cerca de 200 km de distância.

Alexandria é, portanto, uma cidade com um clima muito mediterrânico. Mais quente do que os países do lado europeu do mar, mas mais quente e mais agradável do que a maioria das cidades egípcias, especialmente as que se situam fora do delta do Nilo. Estes são os seus valores climáticos mais marcantes, que serão úteis para saber se vem de turismo em Alexandria:

  • Temperaturas máximas: no verão rondam os 30ºC e os picos das ondas de calor podem ultrapassar os 40ºC, mas não é uma constante, como acontece noutras cidades. No inverno, as temperaturas máximas são bastante amenas, rondando os 20ºC, pelo que qualquer estação é uma boa altura para realizar algumas das actividades mais populares. turismo em Alexandria
  • Temperaturas mínimas: No verão, as temperaturas mínimas não descem muito (não descem abaixo dos 20ºC no verão). E isso, combinado com a humidade relativa da cidade, pode torná-la sufocante à noite. No inverno, por outro lado, as temperaturas mínimas são agradáveis, mal descendo abaixo dos 10ºC, principalmente em janeiro e fevereiro.
  • Humidade relativa: é um dos pormenores mais importantes e diferenciadores, uma vez que se mantém constante ao longo do ano, em torno dos 70%.
  • Precipitação: não é muito frequente (pouco menos de 50 dias de chuva por ano), embora não seja tão rara como noutras cidades do país. Em todo o caso, concentram-se principalmente em novembro, dezembro, janeiro e fevereiro, atingindo quase 200 mm por ano.

Por conseguinte, a proteção que terá de tomar contra o sol aqui não é diferente da que usaria em qualquer outro destino de férias no Mediterrâneo.

Corniche Alexandria

História de Alexandria e situação atual

Quando passear em Alexandria é muito importante conhecer a sua história, mesmo que em traços gerais, como faremos nestas linhas. Porquê? Simplesmente porque é muito diferente da história do
História do Egipto Antigo
Não falaremos aqui dos grandes faraós, como acontece no resto do país. Por outro lado, as grandes figuras greco-romanas, o cristianismo copta e, claro, a civilização árabe, estão muito em destaque. Além disso, desenvolveu um carácter muito especial durante o século XIX e a primeira metade do século XX, que pretende reavivar no século XXI com o aumento da
turismo em Alexandria.

Na antiguidade greco-romana

Em Alexandria, tudo começou com Alexandre, o Grande, como o próprio nome indica. O grande imperador helenístico fundou esta cidade em 331 a.C. no contexto da sua guerra contra o rei persa Dario III. Tinha chegado um ano antes, triunfante das suas lutas no Próximo Oriente e aclamado como o libertador do Egipto. Adoptou o título de faraó e envolveu-se na cultura local, como o demonstram as suas visitas à antiga Tebas (atual Luxor) y o oráculo de Siwa.

Para ele, o Egipto tem de se abrir ao mundo mediterrânico, tirando maior partido da sua vasta zona costeira, o que não está a ser feito de forma suficiente. Por isso, decidiu criar esta cidade portuária a partir do nada. E embora a estadia de Alexandre, o Grande, tenha sido breve, pois partiu no mesmo ano para conquistar a Pérsia, a sua semente germinou e a sua memória nunca se desvaneceu. De facto, após a sua morte na Babilónia, em 323 a.C., o seu corpo foi levado para a Babilónia num caixão de ouro, e sabe-se que vários imperadores romanos lhe prestaram homenagem… mas, passado algum tempo, perdeu-se. Talvez no século III ou IV, durante um episódio de agitação, ou foi escondido num local secreto mais seguro. Mas a verdade é que nunca foi encontrada, apesar de os arqueólogos continuarem a tentar encontrá-la. Para alguns, tornou-se uma espécie de Santo Graal da arqueologia moderna e, se fosse descoberto, o impacto mediático poderia ser comparável ao do túmulo de Tutankhamon, que sem dúvida relançaria a Turismo em Alexandria.

Nessa altura, Alexandria era uma cidade próspera, uma cidade-chave nas rotas comerciais entre a Europa e a Ásia. E era também uma cidade de alta cultura, onde a sabedoria era protegida como um tesouro valioso do presente e do futuro. Este facto foi demonstrado pelos principais edifícios da cidade. O famoso Farol, uma das Sete Maravilhas do Mundo Antigonão só servia de referência luminosa para os navios mercantes, como também era uma metáfora da altura da cidade. O Museu (ou Museion), um edifício educativo e cultural que também serviu de residência à dinastia ptolomaica, foi assim designado por ter sido concebido como um verdadeiro contentor de conhecimento, dedicado e protegido pelas Musas. Este grande complexo albergava a Biblioteca, a mais importante biblioteca da Antiguidade, com mais de meio milhão de manuscritos. Reza a lenda que todos os navios que chegavam ao porto tinham de “pagar a portagem” de apresentar um livro para ser copiado aqui. Infelizmente, perdeu-se, e aqueles que vêm de turismo para Alexandria têm de se contentar com a Nova Biblioteca de finais do século XX.

Durante o domínio romano, após o suicídio de Cleópatra no seu palácio de Alexandria, a cidade manteve a sua importância. Com o Egipto a tornar-se um dos celeiros do Império, era o grande porto de partida das mercadorias e também um rico centro financeiro com várias centenas de milhares de habitantes. Mas talvez o grande legado da época romana e bizantina tenha sido o cristianismo copta, já que esta cidade foi de fundamental importância para a consolidação e difusão desta religião, sendo o berço de figuras-chave como São Marcos e Santa Catarina. A população judaica, por outro lado, já estava estabelecida na cidade há vários séculos, atraída pela tolerância e prosperidade da era ptolemaica.

Mesquita de Alexandria

Alexandria após a conquista árabe

Alexandria, tal como o resto do Egipto, foi conquistada pelos poderosos exércitos árabes, mas não tão rapidamente como outras cidades. Foi em 642, após mais de um ano de cerco. Assim nasceu uma cidade cheia de palácios, teatros, jardins e outros locais que nos permitem imaginar esta cidade como uma das mais avançadas do mundo, de um ponto de vista moderno.

A destruição da Biblioteca de Alexandria é muitas vezes atribuída a esta conquista, mas é mais provável que já tivesse ocorrido algum tempo antes, talvez devido a catástrofes naturais e tensões locais. Mas a verdade é que Alexandria nunca recuperou o esplendor do passado e foi também assolada por ataques de piratas e cruzados.

Durante a Idade Média, houve apenas um breve hiato, quando Veneza dominava o comércio internacional e Alexandria desempenhava um papel estratégico para os mercadores da Sereníssima República, que estavam em sintonia com os sultões mamelucos que governavam o país. Mas a sorte mudou quando os portugueses descobriram e exploraram a rota do Cabo no final do século XV. Pouco depois, Alexandria e o resto do Egipto foram conquistados pelos turcos, que deram alguma prioridade à cidade portuária de Roseta.

Novo renascimento no século XIX e início do século XX

Devido à sua importância estratégica, Alexandria e os seus arredores foram palco de batalhas navais entre os franceses de Napoleão e os britânicos do almirante Nelson. Mergulhar no fundo do mar e descobrir os restos dessas batalhas é, como veremos, uma atividade surpreendente de turismo em Alexandria. Este último acabou por vencer, assegurando uma posição de influência sobre os novos governantes. Era o tempo do wali egípcio Mehmet Ali, em nome do sultão turco, que promoveu grandes projectos industriais na cidade, nomeadamente um grande estaleiro naval.

Por detrás dela estavam grandes investidores e engenheiros estrangeiros, sobretudo franceses e britânicos, que encontraram aqui uma cidade aberta, cosmopolita e florescente. O multiculturalismo era uma das suas principais características, com numerosas e populosas comunidades de diferentes origens, incluindo gregos e judeus. Esta situação manteve-se até à primeira metade do século XX, e a melhor prova disso são as grandes obras literárias aqui produzidas por escritores importantes, nomeadamente
O Quarteto de Alexandria
de Lawrence Durrell, outra atração para quem vem a Alexandria para turistas a Alexandria.

No entanto, as tensões israelo-árabes no Médio Oriente e a revolução socialista de 1952 levaram à saída de muitos estrangeiros da cidade e a um abrandamento da chegada de novos estrangeiros. Em vez disso, a população local começou a crescer exponencialmente, tal como no resto do país, até aos dias de hoje.

Porto comercial e turismo: Alexandria nos tempos modernos

Atualmente, Alexandria tem uma população de cerca de 5 milhões de habitantes, com uma elevada densidade populacional, em consonância com as outras cidades do Delta do Nilo. E embora o ambiente não seja tão multicultural como no passado, a O turismo de Alexandria está a funcionar como um motor de mudança.

As instituições locais compreenderam que uma grande parte do futuro reside no passado e empenharam-se firmemente na recuperação e valorização do património greco-romano, que tem um grande poder de diferenciação em relação a outros destinos turísticos do Egipto. Trata-se de um complemento importante ao grande motor da cidade: o seu porto ocidental, que representa quase dois terços das operações de comércio externo do país.

O que ver em Alexandria: zonas e atracções

Apesar do esplendor do passado da cidade, se for um turista em turismo em Alexandria Atualmente, não se encontram bairros históricos mais ou menos delimitados, como é o caso, por exemplo, do Cairo. A cidade que chegou até nós é sobretudo o resultado do grande desenvolvimento económico e demográfico dos últimos dois séculos. Neste crescimento urbano, perderam-se muitos vestígios da sua história, mas esta perda começou muito antes devido a catástrofes naturais e à subida do nível do mar de 6 a 8 metros em dois milénios, fazendo com que parte das suas riquezas fossem inundadas pela água.

Em todo o caso, a principal espinha dorsal da cidade é a sua Corniche ou passeio marítimo com tráfego rodoviário, que tem mais de 20 quilómetros de comprimento. A zona de maior concentração de pontos de interesse situa-se em torno do porto oriental, que foi outrora o porto da cidade. Os seus quebra-mares albergam dois marcos da Turismo em Alexandria A atual Cidadela de Qaitbay (onde se encontrava o Farol), por um lado, e a Nova Biblioteca de Alexandria, por outro. Entre as duas e para o interior, a zona considerada como centro, onde se pode sentir o verdadeiro pulsar da cidade atual.

Esta ausência de bairros temáticos faz com que as diferentes atracções do turismo em Alexandria estão dispersos pelo centro da cidade, embora estejam agrupados por temas para uma melhor compreensão.

Fortaleza de Qaitbay Alexandria

A Cidadela, um ponto de referência para o turismo em Alexandria

Visitantes em Alexandria Há dois sítios principais a visitar: a Cidadela de Qaitbay e a Nova Biblioteca de Alexandria. E ambos, de certa forma, recordam duas das construções que tornaram famosa a cidade antiga: o Farol e a Biblioteca, respetivamente.

Cidadela de Qaitbay, também designada por Forte de Qaitbay, é uma bela e bem preservada fortaleza defensiva com baluartes e um grande interior, construída no final do século XV e início do século XVI durante o período mameluco. A sua função era proteger-se da ameaça do Império Otomano, que conquistou a cidade e o país pouco tempo depois. Além disso, proporcionava uma segurança adicional aos navios que chegavam ao porto. E foi erigido exatamente no local onde se encontrava o farol, na ilha de Pharos.O edifício é uma construção gigantesca que mais parece um arranha-céus moderno do que uma simples torre de sinalização luminosa e que já estava em ruínas há séculos devido a desmoronamentos e catástrofes naturais, como o terramoto de 1303.

Os otomanos compreenderam a utilidade estratégica desta cidadela, pelo que a mantiveram em funcionamento. O mesmo aconteceu com NapoleãoAs fortalezas foram construídas pelo governador Mehmet Ali, que gostava muito de se instalar em tais fortalezas durante as suas invasões, e mais tarde pelo governador Mehmet Ali, que levou a cabo um grande projeto de reabilitação. No final do século XIX, foi gravemente danificada por navios britânicos, mas durante o século XX foi objeto de numerosas restaurações.

Atualmente, alguns dos espaços onde os turistas podem circular são a torre, as salas de diferentes usos, o pátio e a mesquita, que já não é utilizada para o culto. Alberga igualmente dois museus: um sobre a vida marinha e outro sob a forma de um aquário.

Para além de tudo isto, vale a pena referir que a Cidadela de Qaitbay é uma boa recomendação para todos aqueles que fazem turismo em Alexandriaquer estejam ou não interessados em história e cultura. Isto porque o local oferece algumas das melhores vistas panorâmicas do centro da cidade e do seu porto.

Nova biblioteca em Alexandria

A Nova Biblioteca de Alexandria, imitando a Biblioteca da Antiguidade

A Nova Biblioteca de AlexandriaA Bibliotheca Alexandrina, ou Bibliotheca Alexandrina, foi um projeto ambicioso na década de 1990: um grande edifício novo e vanguardista do gabinete de arquitetura norueguês Snøhetta, junto à orla marítima. onde se encontrava a antiga biblioteca. Durante as obras, foram encontrados alguns vestígios, como mosaicos ou esculturas de estilo grego.. Foi uma instituição na qual, aliás, se produziram alguns marcos do conhecimento científico, como os cálculos da circunferência da Terra ou a criação de mapas astronómicos.

Esta nova biblioteca é feita de betão, granito e vidro, e não foi concebida apenas como um contentor para livros e outros objectos (existem várias centenas de milhares de livros e dezenas de milhares de mapas, entre outros): é também um local para visitas e eventos, como a Feira Internacional do Livro de Alexandria, que se realiza aqui e atrai muitas pessoas. turismo em Alexandria.

catacumbas de Kom El Shoqafa
Catacumbas de Kom El Shoqafa

Outras atracções greco-romanas

Embora pouco reste do Farol e da Biblioteca, há muitos vestígios greco-romanos espalhados pela cidade. E alguns deles estão em muito bom estado de conservação, o que os torna imperdíveis para quem vem de turismo em Alexandria. Noutros casos, ainda não foram explorados, pois sabe-se que existe um importante património a escavar no subsolo.

Destacam-se as Catacumbas de Kom al-Sufaga.Os dois foram encontrados da forma mais acidental e imprevista possível: a queda de um burro sobre eles. São elas que dão o nome a este bairro humilde que pouco oferece à superfície, mas que esconde uma riqueza incalculável no subsolo. Trata-se de um complexo mortuário da época romana, constituído por três níveis de túmulos escavados na rocha, incluindo um triclínio para as celebrações funerárias e uma câmara central. Para além disso, existem lóculos ou cemitérios com centenas de enterramentos. Um dos aspectos mais interessantes destas catacumbas é a surpreendente mistura de iconografia romana e egípcia na decoração.Talvez para dar maior solenidade ao local: figuras representando o deus egípcio da morte Anúbis no corpo de um legionário romano, répteis barbudos ao estilo greco-romano, medusas gregas com pêlos de serpente?

Não era o único complexo funerário subterrâneo, longe disso. De facto, é agora possível visitar outros que, embora não estejam habitualmente integrados no Turismo em AlexandriaO Museu de Turismo de Alexandria ajuda-nos a compreender o tratamento dado aos defuntos nos séculos antes e depois de Cristo. Podemos citar a necrópole de Amphushicom vários túmulos cujas câmaras tinham paredes policromadas com divindades egípcias, a necrópole de Shatbyonde foram encontradas estatuetas de terracota, atualmente expostas no Museu Greco-Romano, e a Necrópole de Mustafa Kamalcom esfinges gregas.

Um dos locais mais importantes da Alexandria grega era a acrópole, uma colina rochosa que albergava vários edifícios, alguns dos quais sobreviveram em parte, formando um parque arqueológico que pode ser visitado. Aqui, por exemplo, encontra-se a Coluna de Pompeu. Na verdade, o seu nome é erróneo e foi dado pelos cruzados medievais, que acreditavam que este general romano, rival de Júlio César que morreu no Egipto, estava aqui enterrado. Trata-se de um pilar de granito vermelho com 30 metros de altura, trazido de Assuão e dedicado ao imperador Diocleciano. Está ladeada por duas esfinges de granito de uma época anterior. Destacam-se também as ruínas do Serapeum (não confundir com o Serapeum de
Saqqara
), um grande templo religioso que mostra o sincretismo entre as religiões egípcia e grega: Serápis era uma divindade que misturava Osíris e Apis, dos egípcios, e Zeus e Hades, dos gregos.

Outro vestígio importante deste período é o anfiteatro romano Kom Al-Dikka.. É o único encontrado até à data, embora na altura fontes afirmassem que existiam 400 na cidade. Seja verdade ou exagero, o facto é que esta joia arqueológica para a Turismo em Alexandria seria a principal atração em qualquer outra cidade do mundo. Deste espaço dedicado ao lazer e à cultura, as bancadas, as colunas que faziam parte da estrutura, os fossos e outros elementos foram conservados em muito bom estado. De facto, o complexo inclui também um local adjacente com banhos e uma villa romana, onde foram descobertos mosaicos coloridos com temas de animais: a Villa dos Pássaros, do tempo do imperador Adriano. Pode, por isso, ser considerado um museu ao ar livre que fará as delícias dos amantes da cultura antiga.

Pode também referir-se o Templo de Ras El-Soda.descoberto por acaso em 1936 numa zona residencial com o mesmo nome no nordeste da cidade e transferido para aqui pedra a pedra devido a problemas de conservação no local original. O resultado é uma estrutura que evoca o que foi esse templo, graças à sua grande escadaria e às colunas com capitéis jónicos.

Cúpula da Igreja Ortodoxa de Alexandria
Cúpula da Igreja Ortodoxa

Alexandria multi-religiosa

Como já dissemos, esta cidade foi durante muitos séculos um exemplo de multiculturalismo e de convivência entre religiões: egípcia, grega, judaica e romana na antiguidade, e muçulmana, cristã copta e também judaica séculos mais tarde. E embora o Islão seja agora a religião maioritária, ainda se pode ver alguma desta diversidade de fés.

A zona mais puramente islâmica é Anfushi.que é a faixa de terra entre o grande porto ocidental e o antigo porto oriental, inicialmente de natureza comercial e atualmente de natureza desportiva. A área foi povoada principalmente após a conquista árabe e registou um grande crescimento durante o domínio otomano.. Por isso, é aqui que se encontram as mesquitas mais interessantes, embora algumas delas sejam muito humildes e estejam em muito mau estado de conservação. A mesquita de Abu al-Abbas al-Mursi que, apesar de ter sido construído no século XX, foi construído sobre um anterior. Merece ser incluído na lista de atracções do turismo em Alexandria porque venera este mestre sufi, oriundo do Al-Andalus, mais concretamente da atual região de Múrcia: chegou a Alexandria no século XIII, empurrado, como muitos outros, pelo avanço cristão na Península Ibérica. Morreu nesta cidade e os seus restos mortais estão conservados nesta mesquita.

Outro templo islâmico interessante para os turistas em Alexandria é a Mesquita Attarin, também conhecida como Mesquita de Santo Atanásio. Este nome peculiar deve-se ao facto de ter sido construída no século VII sobre uma igreja anterior, do século IV, que era dedicada a este santo local. Além disso, esta mesquita tem atraído o interesse de muitos viajantes desde o século XIX, porque se pensava que o túmulo de Alexandre, o Grande, o “Santo Graal” da arqueologia moderna, poderia estar localizado aqui. No entanto, acabou por se descobrir que o sarcófago que deu origem a esta hipótese (e que se encontra atualmente no Museu Britânico) pertencia ao Faraó Nectanebo II (último da 30ª Dinastia). Embora as suas proporções não sejam tão monumentais como as de outras mesquitas, destaca-se o seu belo minarete de vários vãos, elaboradamente esculpido. O conjunto atual é, acima de tudo, o resultado de uma renovação do início do século XX.

O lado copta da cidade é também de grande interesse para os visitantes de Alexandria. turismo em Alexandria. De facto, aqui estão alguns dos templos mais importantes deste ramo do cristianismo, que se divide em várias igrejas: a Igreja Copta (ou Ortodoxa Copta), a Igreja Ortodoxa de Alexandria e a Igreja Católica Copta. Todos têm como fundador ou referência o santo Marcos Evangelista, bispo da cidade no século I d.C. Os principais templos cristãos são:

  • Catedral Copta de São MarcosNo século IX, mercadores venezianos levaram o que acreditavam ser o corpo deste santo e depositaram-no na Basílica de São Marcos, na cidade italiana. Mas os paroquianos desta catedral defendem que o seu crânio permanece aqui, venerado como uma relíquia sagrada.
  • A Catedral de Santa Catalinade culto católico, de estilo neo-barroco e dedicada a esta santa mártir do século IV, natural desta cidade, embora o seu túmulo se encontre no Mosteiro de Santa Catarina no Sinai

Quanto ao judaísmo, o seu seguimento perdeu grande parte da sua força com o surgimento de tensões regionais após a criação do Estado de Israel, o que levou à emigração de uma grande parte da sua população. Atualmente , existem duas sinagogas, a mais importante das quais é a sinagoga Eliyahu Hanavi, recentemente restaurada.

Um centro que inspirou grandes obras de literatura

Os amantes da literatura mundial conhecem provavelmente a cidade pelas obras de alguns dos grandes escritores, aqui escritas graças à inspiração proporcionada pela vida social cosmopolita dos últimos dois séculos. Por isso, muitas pessoas vêm a Alexandria para Alexandria como destino turístico e dar um passeio pelo centro da cidade em busca de lugares relacionados, sobretudo, com duas personalidades: Lawrence Durrell e Constantin Cavafis. O primeiro foi um romancista britânico que aqui ambientou a sua famosa obra. O Quarteto de Alexandria. E o segundo era um poeta de origem grega e de grande renome no país, que Durrell também menciona em
O quarteto
.

Eis alguns locais que pode acrescentar à sua viagem:

  • A Corniche: embora o passeio marítimo de Alexandria tenha mais de 20 km de comprimento, esta é a parte mais visitada e mais fotogénica do passeio.
  • Cecil Hotel: local de alojamento preferido de escritores e artistas no passado, foi também um local chave para Justine, a protagonista de
    O Quarteto
  • Praça Ramla: hoje em dia, um cruzamento de linhas de elétrico, com o grande minarete da mesquita Al Qaaed Ibrahim Basha a elevar-se sobre ela.
  • Museu Constantin Cavafis: a casa onde este poeta viveu e escreveu. Para além da curiosidade que desperta nos leitores, é interessante saber como era uma habitação urbana na cidade cosmopolita do final do século XIX e início do século XX, pois mantém a sua decoração e distribuição praticamente intactas.
  • Praça Tahrir: outro centro da cidade, é um bom local para visitar o souk de Alexandria, menos típico do que outros no país, mas onde poderá encontrar algumas recordações locais interessantes.

E neste passeio pode literalmente saborear a atmosfera do centro da cidade. Em particular, os seus cafés e pastelarias, evocativos dos que foram outrora locais de encontro de escritores e artistas. A pastelaria Trianon, na Praça Ramla, de grande elegância e confeções requintadas, é uma das melhores propostas para quem gosta de doces. visitas turísticas em Alexandria. Infelizmente, muitos outros fecharam, como o Pastroudi’s Café, o refúgio das personagens de Durrell, bem como o refúgio do próprio escritor: a sua residência, Villa Ambrom, demolida há alguns anos.

Também se pode ir ao porto oriental para provar uma das grandes especialidades gastronómicas da cidade: o peixe e o marisco, claro. O Mercado do Peixe ou o Greek Yacht Club são alguns dos locais mais recomendáveis, elegantes e cuidadosamente seleccionados.

Museu Nacional de Alexandria

Os museus, outra atração turística de Alexandria

Alexandria é também uma das cidades mais interessantes do Egipto em termos de museus. E não só ligado à arqueologia greco-romana, mas também a outros temas. Logicamente, o mais importante é o Museu greco-romanoO museu é um enorme contentor de artefactos e vestígios dos primeiros séculos da história da cidade. A sua fachada faz lembrar os grandes templos gregos e o seu interior está organizado em torno de um grande pátio central. À sua volta, há um grande número de salas onde se guardam peças valiosas, como um touro sagrado de Apis em granito preto. Há também salas dedicadas, naturalmente, a Alexandre o Grande, Cleópatra e Marco António, com bustos ou moedas com os seus retratos. Além disso, existem algumas áreas dedicadas à cultura egípcia, que também foi respeitada e promovida pelos governantes ptolemaicos, bem como à cultura cristã copta.

Paraalém do museu greco-romano e da casa-museu dedicada a Cavafis, há outros museus a ter em conta para quem vem a Alexandria como turista. para Alexandria:

  • Museu Nacional de Alexandria: instalado numa bela villa de estilo italiano que outrora albergou o consulado italiano durante o século passado, alberga atualmente cerca de 2000 artefactos históricos. A sua coleção abrange as principais civilizações do Egipto, desde o Antigo Egipto, passando pelos governantes greco-romanos, os coptas e os árabes. Os três andares albergam estátuas funerárias e múmias do período faraónico, mosaicos, têxteis medievais e muitos outros objectos de valor.
  • Museu de Belas Artes de Alexandria: inaugurado em meados do século XX para exibir obras de arte barrocas, românticas, rococó e orientalistas de artistas locais e internacionais, foi recentemente renovado para melhorar a experiência de visita. Organiza também regularmente conferências e encontros entre artistas e críticos.
  • Museu Real de Joalharia: instalado no Palácio de Fátima al-Zahraa, a sua principal atração reside no seu interior luxuoso e ecleticamente decorado do século XX. A coleção de jóias constitui a maior parte dos bens confiscados em 1952 ao rei Farouk, o último de uma dinastia que apreciava o requinte, a sumptuosidade e o excesso.
  • Museu da vida marinha de Qaitbey: situado na cidadela, ocupa diferentes salas nas quais se encontram vitrinas com reproduções ou espécimes empalhados da fauna marinha local.
  • Museu Mahmoud Said: mais uma vez, outro espaço de exposição instalado numa moradia de estilo italiano. Foi inaugurado em 2000 e é o ponto de referência para a arte moderna, uma vez que é dedicado ao artista mais notável deste estilo. Auto-retratos, nus femininos e caricaturas ácidas são algumas das obras que podem ser encontradas aqui.

Outras coisas para ver em Alexandria (ou fazer)

Embora já tenhamos passado em revista as principais atracções do turismo de AlexandriaMas a verdade é que pode gastar o seu tempo em muitas outras coisas, algumas delas muito surpreendentes. Por exemplo, mergulho ao largo das suas costas. Mas não estamos a falar de mergulhar entre peixes, flora marinha e recifes. Sugerimos que o faça nos muitos
destinos de férias no Mar Vermelho
! Os mergulhos aqui têm um objetivo muito diferente: contemplar o património subaquático que ainda hoje se conserva a poucos metros de profundidade. Obras de arte, estátuas de palácios e outros objectos de valor provenientes de naufrágios ao largo da costa, de batalhas militares ou simplesmente do avanço das águas do Mediterrâneo, que subiram 6 a 8 metros.

Por esta razão, existem empresas que se dedicam à organização de mergulhos deste tipo, e a nossa agência pode ajudá-lo a organizar a experiência. Os destinos subaquáticos favoritos incluem o palácio de Cleópatra, os restos do farol na ilha de Pharos, a cidade portuária vizinha de Heracleion e Abu Qir, local de batalhas navais durante as guerras napoleónicas entre franceses e britânicos.

Sendo uma cidade costeira, também tem praias. Embora o Turismo em Alexandria não se baseia no conceito de sol e areia, existem alguns locais onde se pode dar um mergulho se assim o desejar. Um exemplo é a Stanley Bridge Beach, uma pequena praia privada sob as torres da famosa Stanley Bridge. Além disso, foi desenvolvida à sua volta uma zona de restauração e de comércio, à imagem e semelhança de outras grandes metrópoles internacionais.

Excursão a Alamein a partir de Alexandria

Excursão a El Alamein

A localização de Alexandria, no extremo ocidental do Delta do Nilo, torna-a um “trampolim” ideal para excursões ao longo da costa mediterrânica. Destas, a mais interessante é provavelmente El Alamein, famosa pelas importantes batalhas que aqui tiveram lugar durante a Segunda Guerra Mundial. Por isso, alberga memoriais pungentes às vítimas de ambos os lados, aliados, alemães e italianos. Tem também um Museu da Guerra que proporciona uma visão desse episódio crucial da guerra em 1942. Em El Alamein, há também belas praias, muitas vezes privadas e ligadas às estâncias turísticas da zona, mas também é possível explorar outras formas de as desfrutar, uma vez que muitas pessoas vão até elas fazendo turismo de Alexandria.

Informações práticas para a sua viagem

Por último, eis algumas informações que lhe poderão ser úteis se vier a Alexandria como turista.. Veja aqui como chegar à cidade, como se deslocar e onde encontrar um posto de turismo onde pode obter mapas e brochuras sobre este destino.

Como chegar a Alexandria

Se vai fazer uma viagem turística a AlexandriaHá várias maneiras de chegar aqui. Uma delas é por via aérea, embora os voos directos a partir de cidades estrangeiras sejam limitados. São as seguintes, em voos sazonais ou durante todo o ano:

  • Atenas (Grécia), Abu Dhabi, Sharjah, Dubai (Emirados Árabes Unidos), Amã (Jordânia), Bérgamo, Milão (Itália), Dammam, Riade, Gassim, Jeddah, Medina, Yanbu (Arábia Saudita), Kuwait (Kuwait), Benghazi, Tripoli, Tobruk (Líbia), Beirute (Líbano), Mascate (Omã), Istambul (Turquia)

Em contrapartida, a opção mais comum para voar para Alexandria é uma escala noutro aeroporto local. Estas são as cidades egípcias ligadas por voos regulares:

  • Cairo, Sharm el Sheikh, Hurghada

Por outro lado, se decidir integrar o seu turismo em Alexandria Como parte de uma viagem mais ampla pelo Egipto, pode também considerar vir de comboio, uma vez que existem numerosas ligações à capital, Cairo. Outra das linhas percorre a costa mediterrânica, ligando a outros destinos turísticos como El Alamein y Marsa Matruh. No entanto, é uma opção utilizada principalmente pelos cidadãos locais e menos pelas pessoas provenientes do estrangeiro. turismo em Alexandria.

O mesmo acontece com os autocarros, embora as possibilidades tenham sido alargadas e melhoradas por empresas como a Go Bus: com esta e outras empresas de transporte pode viajar de ou para o Cairo, Luxor ou Port Said, entre outros.

No entanto, a forma mais cómoda, mais segura e mais rápida é alugar um veículo privado com motorista, seja um táxi de 5 lugares ou uma minivan para um grupo maior. Esta é a possibilidade que a Egipto Exclusivo coloca nas suas mãos, seja para uma excursão ou para uma viagem de vários dias com a qual fazer turismo em Alexandria em profundidade.

O ferry, por outro lado, não é uma opção viável, uma vez que o tráfego do porto ocidental da cidade é apenas comercial, não havendo rotas de passageiros de outros países. No entanto, não é de excluir que algumas rotas possam ser retomadas, como a rota Veneza-Alexandria, que já esteve operacional no passado.

Getting around Alexandria

Uma vezna cidade, terá várias formas de se deslocar para fazer turismo em visitas turísticas em Alexandria. Mais uma vez, a nossa sugestão é o veículo privado com motorista, pois é o mais seguro e confortável, com o qual se pode deslocar sem ter de se preocupar com horários e outros inconvenientes.

O serviço de táxis local exigirá que use a sua capacidade de negociação, uma vez que normalmente não usam taxímetros, mas a tarifa é acordada antes da viagem. A título indicativo, uma viagem de Midan Saad Zaghloul (junto à principal estação de elétrico) para a Cidadela de Qaitbey pode custar cerca de LE 15.

Se optar pelos transportes públicos, tenha paciência, nomeadamente devido à frequência variável das viagens e à elevada ocupação interior que pode encontrar. A cidade não possui atualmente um sistema de metro, mas tem uma extensa rede de eléctricos, embora os seus comboios sejam velhos e lentos. A estação principal é a Mahattat Ramla, situada na Praça Ramla (Midan Ramla). Os mini-autocarros, por outro lado, são um sistema que,
de facto
só é utilizado pelos próprios alexandrinos.

Postos de Turismo em Alexandria

Se quiser fazer um pedido de informação ou informar-se sobre um monumento a visitar, não terá muito por onde escolher: atualmente, existe apenas um posto de turismo em Alexandria. Posto de Turismo de Alexandria. Está situado em Midan Saad Zaghloul, perto da estação de Ramla.. Estes fornecer-lhe-ão informações pormenorizadas e mapas da cidade, para que possa organizar as suas visitas.

E se quiser optar pela comodidade de ter uma agência com experiência no país a organizar todos os pormenores da sua viagem turística a AlexandriaContactar o Egipto Exclusivo! Podemos organizar o transporte, o alojamento, os restaurantes, as visitas turísticas e muito mais. Não hesite em pedir-nos informações!

Planear a sua viagem para Alexandria

Desfrutar de experiências
Desfrutar de experiências
Alterar a sua moeda (apenas em Espanha)
Alterar a sua moeda (apenas em Espanha)
Vuelos muy baratos Alexandria
Voos muito baratos
Alugar o seu automóvel
Alugar o seu automóvel
Inscrição para Wifi ou telefone
Inscrição para Wifi ou telefone

Outros destinos